Encontro Nacional

Encontro Nacional

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Visão econômica

Estamos no período de festas, época de Natal e Ano Novo,  época em que as famílias se reúnem e festejam o final de um e o início de outro ano. Mas também é a epoca do ano em que muitos trabalham dobrado, pessoas cujos dias começam muito cedo e terminam muito mais tarde. As reflexões feitas a respeito deste período em sua maioria são otimistas e mostram um mundo perfeito, mas nem todos vivem este mundo perfeito. Um dos filósofos que se ocupou de mostrar uma das mazelas vividas até os dias atuais é Karl Marx, acompanhado por seu amigo Engels.
Marx é um filósofo com uma bibiografia muito extensa e dizer resumidamente como foi o seu pensamento é certamente incorrer em erro. Dizem que sua extensa obra esteve em evolução durante toda a sua vida, sendo dividida em novo e velho Marx. Outros dividem sua produçao do jovem humanista ao materialismo histórico. A vida do filósofo era muito simples, passando por vezes dificuldades econômicas muito sérias, das quais era tirada por seu amigo Engels. Já no final de sua vida completou sua obra falando de economia, uma parte da história até então ignorada pelos historiadores.
A mazela a que me referia no início deste escrito é a exploração de uma classe social por outra e a falsa impressão de liberdade na escolha da profissão, estilo de vida, lugar onde se vai morar, etc. Sabe-se que toda a riqueza produzida vem do trabalho e se uma classe é mais rica que outra é porque uma classe está abusando da riqueza da outra.  Em outras palavras a riqueza da classe A é fruto da exploração da riqueza da classe B. Esse fato faz com que a relação entre as pessoas no capitalismo aconteça de forma que não há mais relação entre pessoas, mas entre objetos.
Assim como o trabalhador, o trabalho também se torna um objeto que é vendido em troca de salário, o qual em maior ou menor escala vai garantir a subsistência da família. O capitalista, por sua vez, trabalha para produzir lucro, ou seja, controla os meios de produção para que se tenha lucro.  Através do controle, o capitalista obtem a mais valia, que é aquilo que o trabalhador produz além do que é pago.  Então, a mais valia, ou seja, o que o trabalhador faz a mais do que recebe é o lucro do capitalista. Quanto mais o trabalhador fizer, maior será o lucro. Para Marx este entendimento só é possível porque o ser social das pessoas é que determina sua consciência.
Para Marx e muitos outros filósofos o mundo é que determina a forma como o ser humano pensa, mas isto é uma verdade que se aplica a ele, Marx. Muitas pessoas olham pela janela e não olham seu trabalho sendo vendido a um patrão, mas veem o dia de sol, sentem o perfume das flores, conversam com as pessoas e fazem aquilo que gostam. Trabalhar, assim como outras coisas da vida pode ser muito mais que obrigação, venda, troca, mais valia, pode ser a realização pessoal. Olhar a vida como uma relação de comércio é torná-la muito pobre. Aqui fiz apenas um pequeno recorte do pensamento de Marx, o qual é muito usado como justificativa para ser ou fazer determinadas coisas. É importante ter em mente que uma frase de um autor não reflete o pensamento e o trabalho de uma vida inteira.

Rosemiro A. Sefstrom

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Terapia de casal

Das muitas experiências que um consultório lega a um terapeuta, a terapia de casais é, para mim, uma das mais interessantes. Casal, palavra que vem do latim casale ou ainda do latim casalis, quer dizer algo que pertence à casa, podendo também ser interpretado como doméstico. O casal também é tido como a união entre duas pessoas, estes formam um casal, seria então o casal algo próprio da casa, doméstico, assim como a união entre duas pessoas. O sentido que interessa aqui é a união entre duas pessoas, sendo que em muitos casos essa união não é harmoniosa, existem ruídos que prejudicam o bom andamento da relação. Quando os ruídos se tornam mais fortes alguns casais procuram ajuda, procuram uma terceira pessoa que possa mediar a relação. O homem ou a mulher, enfim, o que busca ajuda relata uma série de situações que precisam ser resolvidas para que a relação funcione bem.
No início do trabalho há apenas uma versão da história, um dos lados conta o que está funcionando mal, para ele os problemas são claros. Ao longo do processo, algumas vezes é possível trazer o marido ou a esposa, este ou esta vem contar o outro lado da história e dizer o que para ela(e) não está funcionando bem. Esta é a parte mais interessante, perceber o que, em cada um, é percebido como falho na relação. Até o momento ainda não vi um casal em que os dois concordem com o que causa ruído, cada um aponta questões diferentes como origem dos problemas na relação. A partir dos relatos, e coletados os dados de cada um dos dois é possível perceber que em muitos casos o motivo é o mesmo, mas a maneira como cada um vê é diferente. Isto quer dizer que o problema enfrentado pelo casal é o mesmo, mas cada um sente de maneira diferente e, por isso, relata de maneira diferente o ruído na relação.
Uma mulher, por exemplo, chega no consultório e aponta como problema de sua relação a dificuldade de conversar com o marido, que ele já não lhe escuta mais, não tem mais tempo para ela. Depois de alguma insistência ele vem ao consultório e se abre dizendo que o problema é ela que cobra demais, sempre quer mais, por mais que tenha parece que sempre está faltando alguma coisa. Muitos casais esquecem-se com rapidez como se conheceram, como conviviam nos primeiros anos de casamento, o que lhes fazia feliz juntos. Em muitos casos a solução para o casal é simples: basta recuperar o que foi perdido ao longo do caminho, o diálogo. Em outros casos, como o do casal acima, o auxílio do terapeuta pode estar em apontar para cada um onde está o real ruído, fazendo com que cada um observe a si mesmo no relacionamento.
Assim o marido pode percebe que não está mais dando tanta atenção à esposa porque agora tem filhos, dois para ser mais exato e estes tem a mensalidade da escola. Para pagar as contas ele aumentou o tempo de trabalho na empresa para não faltar dinheiro e dar o necessário à esposa e às crianças. Mas também ele não observa que ela sente sua falta, que precisa de um tempo com ele, não para falar sobre as contas, sobre os filhos, mas para cultivar o relacionamento amoroso. O relacionamento que existia ao longo do tempo foi murchando e se tornando um contrato burocrático entre um mantenedor e uma associação educativa, nem homem e nem mulher existem mais. O homem pode voltar a ver sua mulher, a pessoa com quem ele se casou e conversar, voltar a alimentar a relação e quem sabe eliminar os ruídos.

Rosemiro A. Sefstrom

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Viver não é preciso


Há alguns dias conversava com uma pessoa quando ela citou-me Fernando Pessoa, dizendo uma de suas célebres frases: “Navegar é preciso; viver não é preciso”. Por muito tempo me detive no poema e pensava que o autor dizia, como fala na frase logo abaixo do poema que viver não é necessário, mas criar. No entanto, neste dia, a pessoa com quem conversava se referiu a um outro sentido para a mesma frase. O que mais achei interessante foi que não foi necessário mudar se quer uma palavra para darmos um sentido totalmente novo a frase. Apenas trocarmos o preciso de necessidade, ou seja, aquilo que precisamos para alguma coisa por objeto de uso para preciso de precisão. Assim, o preciso que era necessidade se torna o preciso de acerto, metodologia que garante um resultado. 
Depois dessa troca de significado da palavra começamos a divagar a respeito da precisão da navegação e da vida. Para isso perguntei-lhe se a vida não era precisa, ou seja, exata. Ao que me respondeu com um grande sorriso: “Não, como poderia, a vida é cheia de inexatidões, voltas e revoltas!” No entanto a mesma pessoa que se referia a vida de uma maneira tão aberta, livre era a mesma que pensava e vivia muitas verdades lineares.
Junto com ela muitas outras pessoas pensam na vida como um lugar de liberdade e escolhas, mas na realidade fazem da vida uma encenação onde palco e roteiro já estão definidos. Algumas vezes ouvi o discurso que se segue como testemunho de um roteiro: “Com tantos anos iniciei minha vida escolar, portanto, quando eu tiver com tantos anos devo estar na faculdade e assim, com tantos anos devo ter o mestrado. Bom, não posso esquecer da vida pessoal. Quando estiver na faculdade vou arrumar uma namorada (o) e provavelmente logo depois da formatura faremos o casamento. Dois anos de casado teremos filhos e organizaremos o planejamento de como será nossa velhice...”
Não há problema nenhum em planejar, orientar a própria vida ou até mesmo esquadrinhar as possibilidades de futuro, mas tornar-se refém de um planejamento... para a navegação a precisão é o que garante o destino correto. Mas, quanto a nossa vida, temos como garantir que nossa bússola aponta para a direção certa? Não temos nenhuma dúvida? Não há a possibilidade de errarmos no caminho? Não são poucas as pessoas que nos dias atuais sofrem porque não são o que planejaram ser, mas nunca pensaram se não são o que deveriam ser. Será que não estamos no lugar e na hora em que deveríamos estar?
A precisão matemática é importante para lidarmos com números, proporções, economia, geografia, mas na vida...

Rosemiro A. Sefstrom