Encontro Nacional

Encontro Nacional

domingo, 21 de dezembro de 2014

Mundo Perdido

Quando saia da infância e passava para adolescência o mundo estava em trânsito, ou pelo menos parte dele. Esta parte que estava em trânsito saia do "socialismo", que muitos chamam de economia planificada ou tentativa fracassada da aplicação das teorias marxistas. Seja como for, estávamos saindo disso para o capitalismo, o restante do mundo já era capitalista. O Brasil, no mesmo período, fim da década de 80, início dos anos 90 também saia de uma ditadura e passava para a democracia. Assim, na minha transição da infância para a adolescência, o mundo também estava passando de um modelo para outro, ao menos o meu mundo. Os que já eram capitalistas desmereciam os socialistas, dizendo aos outros e a sui próprios que estavam certos e que todos deveriam fazer parte do seu modelo de vida. Nesta parte parece que nasci no tempo certo, num Brasil democrático e capitalista, mesmo que seja um país pseudo democrata e pseudo capitalista.

Depois da transição vieram os ajustes, alocando cada coisa no seu lugar. Para que isso acontecesse foram necessárias algumas guerras, boa parte delas no Oriente Médio, terra já castigada historicamente. A Ásia tem lá seus encantos com um boa guerra, mas não foi dessa vez, acabou ficando de fora, mas a ameaça de uma Coreia do Norte se faz presente nos pensamentos estadunidenses. No Oriente Médio os discípulos de Maomé, orientados sob o Alcorão também entendem que o mundo deve viver à luz de sua verdade, do seu modelo de vida. Aliando política e religião tornaram o Estado uma ferramenta de imposição religiosa, já fizemos isso e não deu certo. Talvez eles entenda e cedo ou tarde deixem essa ideia de lado. Talvez no intuito de mostrar esse erro os Estados Unidos interviram em alguns casos e instalaram a "democracia", o modelo politicamente correto. Ao menos é o que dizem.  Esses ajustes onde cada país foi se adaptando ao novo mundo capitalista e democrático já executou muita gente e ainda vai executar.

O caminho que parece estar sendo trilhado, agora que cheguei a idade adulta, é aquele onde os grandes dão as mãos e impõem o seu ponto de vista aos pequenos. Pode ser que esteja errado, mas cada passo dos grandes percebe-se uma única corrente de pensamento. Desde a Rússia até os EUA, passando pela Europa, todos começam aos poucos a falar um mesmo idioma político e econômico. Parece que entenderam haver entre si uma certa interdependência, onde a minha desgraça é a sua desgraça. A formação de um governo único não é descartada, ao menos na teoria, já que as práticas parecem dar conta de que ainda muitas diferenças precisam ser ajustadas até chegar a este ponto. Meu país ainda não escolheu um lado, historicamente caminha entre um e outro lado tentando encontrar o seu próprio caminho. Talvez não seja uma boa hora para mostrar-se indeciso ou decidido pelo lado errado. 

O que vem pela frente é algo interessante, é algo que aqueles que trabalham com gente já perceberam, o desaparecimento da individualidade e o surgimento da consciência coletiva. Não no sentido de pensar no outro, no planeta, ma no sentido de que cada vez menos se pensa por si próprio, mas se pensa coletivamente. O desaparecimento do indivíduo facilita criação de doenças, criação de modelos de beleza, assim como outras questões que tendem a ser assumidas como verdade sem a devida reflexão. A morte anunciada do indivíduo já observada por algumas organizações é parcamente atacada com políticas de bem estar, que nada mais são que afagos ao ego de alguém que nem sabe direito o que lhe faz bem. Parece que passei de um mundo onde as pessoas lutavam pelo que queriam para uma massa uniforme que não tem uma visão de mundo sua, não parece que seja falta de informação, mas falta de conhecimento, coisas diferentes. Reconhecer-se ignorante sobre o que está em andamento pode ser um passo para se dar conta de que o Eu está morrendo.

Aos colegas filósofos clínicos do país, está é uma narrativa que tem base forte no tópico 01, (Como o mundo me parece). Não que ela seja certa ou errada, boa ou ruim, é um relato de como a pessoa vê o mundo ao seu redor. Pode ser que nem seja assim, mas é assim para quem o descreve. Se a opinião que ela tem sobre o mundo tiver peso subjetivo maior, isso relativo ao conteúdo dos outros tópicos, pode orientar a forma como ela age sobre o mundo, as pessoas e ela mesma. 

Rosemiro A. Sefstrom

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

A luz que cega!

Há uma obra de José Saramago publicada em 1995 com tradução em várias línguas, chamada “Ensaio Sobre a Cegueira”. Esta obra tornou-se filme em 2008 pelas mãos do diretor Fernando Meirelles e também pode vista nos teatros. A história conta de um japonês que, por não conseguir enxergar, pede ajuda até que alguém o leva até em casa e acaba por roubar o seu carro. No dia seguinte o japonês e sua esposa vão ao oftalmologista para saber o que está acontecendo e aos poucos uma epidemia se alastra e, com exceção da mulher do oftalmologista, todos ficam cegos. Devido ao alastramento da epidemia o governo decreta quarentena e separa as pessoas cegas das outras, mas mesmo assim a epidemia continua se alastrando.
Presos em uma construção, confinados a uma convivência sem a visão, os internos formam dois grupos e pouco a pouco a convivência se torna insustentável. Até que chega ao ponto em que um dos grupos, por questão de sobrevivência acaba por incendiar o lugar e fugir, mesmo às cegas. Já em casa, depois de uma longa e exaustiva caminhada, cada um faz um pedido, o que gostaria naquele momento. O interessante é que, mesmo sem enxergar, nenhum deles pedem o retorno da visão, cada um pede coisas simples, em sua maior parte o que dá o conforto à alma. Enquanto não enxergavam, os personagens diziam ver uma luz branca. Por vezes não é o escuro que cega as pessoas, mas a claridade.
No dia-a-dia em contato com pessoas de diferentes áreas de formação, status econômico, religião ou religiosidade, filosofia de vida e tantas outras diferenças podemos escutar: “Há uma luz no fim do túnel”. Estas pessoas estão vivendo o aqui e o agora, mas o seu pensamento está tão focado num futuro que “vai chegar” que o que veem é uma luz. Esta luz que veem é diferente para cada uma, para alguns a luz no fim do túnel é o dinheiro para pagar as contas no mês que vem. Para outras, a luz no fim do túnel é o emprego que desejam para si. Existem ainda pessoas para as quais a luz no fim do túnel é o relacionamento que um dia pode dar certo. Apenas para fechar as possíveis luzes, pense em qual será a luz no fim do seu túnel.
Olhando fixamente para esta luz estas pessoas passam dias, semanas, meses, anos caminhando naquela direção. Todo o tempo que caminham um pensamento é recorrente: “Quanto eu chegar lá...” Esta luz os dá força, alimenta sua alma e faz com que caminhem em passos largos, firmes e decididos, voltados para a claridade que é onde colocaram seus objetivos. Estão tão resolutos em sua caminhada e olham tão fixamente para a luz que tudo o que está na sombra passa despercebido, ou seja, ao olhar fixamente para a luz não conseguem enxergar o que está à sombra dela.
Esta luz, a claridade intensa que foi colocada como objetivo de vida pode cegar a pessoa para as vivências do presente. Quando chegar ao objetivo, conquistar a tão buscada luz no fim do túnel, pode olhar para trás iluminado pela claridade e perceber que muitas coisas boas ficaram pelo caminho. Ao focar a claridade do tão sonhado emprego a família pode ter ficado na sombra e quando se chega ao objetivo e olha-se para trás, ela já pode não existir mais. Ao ganhar o dinheiro que queria para pagar as contas e ter um tanto para guardar no banco, o amor da vida pode ter ficado na sombra pelo caminho. Ao se fixar atentamente ao relacionamento que pode dar certo pode acontecer que a sombra cubra o outro que está nesse relacionamento.
Não há nada de errado em ter objetivos e buscá-los diariamente, colocar pontos de luz na vida que possam alimentar a alma durante os períodos difíceis. Mas estes pontos devem irradiar claridade para todo o restante da vida e não cegar. Seria interessante pensar se não são os seus filhos que estão à sombra da luz que você observa no fim do túnel.

Rosemiro A. Sefstrom

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Orientação Profissional

Preparar-se para uma entrevista de emprego é o primeiro passo para conquistar um lugar no mercado de trabalho. No entanto, escolher uma carreira que você realmente queira, um lugar no mercado que realmente você queira lhe dará vantagem sobre os outros candidatos. Estar preparado para algo que você realmente quer e tem a ver com você, é a combinação perfeita para ir longe. Veja o que revela a experiência de Roberto Justos em seu programa da Rede Record.



Olá!
Na minha carreira, eu já estou no consultório como filósofo clínico a dez anos, destes dez a três anos como consultor empresarial. Além do reconhecido trabalho no consultório recentemente fui premiado junto a empresa Tiscoski Distribuidora de Santa Catarina com o Prêmio Ser Humano 2014. Esta premiação é a recompensa pelo trabalho desenvolvido junto às lideranças da organização, onde tornamos potência em ato. Além do trabalho no consultório e organizacional também conduzo um curso de pós graduação e um curso de extensão em Filosofia Clínica em parceria com a Universidade do Extremos Sul Catarinense. Tenho ainda palestras regulares no sentido de orientação profissional e formação de equipes. Mas, agora, irei participar do que considero ser um dos mais importantes Eventos da minha carreira e um dos mais importantes eventos do Brasil! Será o 1º Congresso Nacional de Autoconhecimento para Mudança de Profissão e/ou Carreira!
Ele será via internet, totalmente gratuito e acontecerá no período de 09 a 16 de dezembro. Eu sou um dos palestrantes desse mega evento, e irei falar sobre a orientação profissional a partir do perfil pessoa baseado nas técnicas da Filosofia Clínica.
Você sabia que uma pesquisa inédita mostrou que mais de 50% dos entrevistados, mesmo empregados, queriam dar uma virada na carreira e mudar de trabalho em 2014. O motivo deste percentual elevado pelo desejo de mudança era um só: a busca pela “qualidade de vida''.
E hoje você terá a oportunidade de fazer parte de um grupo seleto de pessoas que possuem informações valiosas para saber como ter  esta tão desejada “qualidade de vida” e mais ter Autoconhecimento para fazer qualquer mudança em sua vida, seja ela pessoal ou profissional.
E você também, poderá compartilhar com seus familiares e amigos para que eles  também desfrutem desses conhecimentos e práticas transformadoras.
Além de mim, estarão palestrando mais 26 experts que, junto comigo, transmitirão conhecimentos que já transformaram milhares de vidas em suas áreas de conhecimento.
Os temas são atuais como: comportamentos, crenças limitantes, perfil comportamental, orientação e reorientação de carreira, planejamento financeiro, valores, escolhas, competências  e muito mais...
Junte-se a nós para se aperfeiçoar aproveitando as informações e dicas de profissionais com experiência e conhecimento.
É muito fácil e rápido participar! Basta clicar nesse link http://hotmart.net.br/show.html?a=C2414433R , cadastrar-se (botão Reserva a sua Vaga) e confirmar sua inscrição no e-mail que você receberá em seguida!
Com apenas dois cliques você fará parte do Evento que te ensinará de forma inteligente a como tornar-se mais qualificado existencialmente: http://hotmart.net.br/show.html?a=C2414433R 
Faça uma boa ação neste Natal - compartilhe essa ideia com seus amigos, parentes, colegas ou qualquer pessoa que tenha interesse neste tema! Afinal não é todo o dia que você tem a oportunidade de presenteá-los com algo tão valioso e decisivo para o sucesso pessoal e profissional.
 Curta a página do Conampro no Facebook  e tenha acesso a todas as informações úteis sobre o Evento: https://www.facebook.com/pages/Conampro/1521859134699186


Um forte abraço!

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014


Modelos de Beleza

     Ao longo dos anos sempre houveram modelos de beleza, esteriótipos de belo que servem de inspiração para outras pessoas. Entre as mulheres há um maior apelo aos modelos de beleza, entre outros fatores pelo mercado consumidor. Nos últimos anos o apelo ao esteriótipos tem aumentado devido a expansão das mídias sociais. Além disso também a dificuldade em se aproximar do modelo ideal vendido pela televisão. Atualmente o apelo a um físico anormal faz com que mulheres de todas as classes sociais gastem fortunas tentando se aproximar de algo caríssimo e ou inatingível.
     Este movimento de apelo a corpo faz com que, cada vez mais o corpo se torne apenas um pedaço de carne, exatamente como o exposto nas gondolas dos supermercados. Mulheres e homens, desde a mais tenra idade expõem seus corpos como apenas uma roupa. Se o corpo de carne e ossos não é mais o seu corpo, mas um manequim que se adapta a cada novo modelo de beleza, onde estará seu corpo? Viver a corporeidade é estar presente sensorialmente em si mesmo, não de fora para dentro, ou seja, do espelho para dentro. Estar em si mesmo é sentir a brisa da manhã, o gosto do café feito na hora, o sabor das frutas do pomar. Não há um certou ou recomendável, mas há os problemas provenientes de uma vivência não saudável da corporeidade. 
     Num breve vídeo que mostra as alterações nos padrões de beleza de penteados de cabelos, fica evidente a constante mudança dos padrões de beleza. Cobrar-se em estar dentro dos padrões de beleza atual é cobrar-se constantemente para chegar em um lugar que não se sabe onde é. 


segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Estão abertas as matrículas para a quarta turma de Pós Graduação em Filosofia Clínica pela Unesc.

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Fator Humano

Posto este vídeo recomendado por um amigo que mostra o quanto é importante estar atento ás pessoas no ambiente organizacional. O fator humano, de acordo com o vídeo, aumentou a produtividade em 25% com o trabalho do pesquisador na melhoria da relação entre os membros da equipe. Hoje este é um dos meus trabalhos, considerar o fator humano como desenvolvimento organizacional. Se olhássemos sua organização hoje, como está o fator humano?


quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Camuflagem

“Não sou eu!” Esta é uma expressão que ouvi algumas vezes ao longo dos anos no consultório. As situações são variadas, mas em todas elas o que acontece é que a pessoa não se identifica nos comportamentos que tem. Uma destas pessoas dizia que não se reconhecia como fumante, no entanto fumava regularmente e em boa quantidade. Outra dizia não ver-se na pessoa dura e fria que era enquanto gerente do setor onde trabalhava, chegava a espantar-se consigo mesma. Em outro caso a pessoa dizia não se reconhecer no que os outros diziam dela, enquanto os outros ao seu redor falavam de uma mulher forte, com garra, objetivos, ao contrário, ela se via fraca, pouco persistente e sem objetivos. Em muitos casos esta falta de identificação da pessoa consigo mesma ocorre porque ao longo da vida ela criou uma camuflagem, aprendeu a ser o que se esperava dela.
Este fenômeno pode acontecer por muitos motivos. Por exemplo, a primeira pessoa que fumava e não se reconhecia fumante começou a fumar por participar de um grupo que fumava. Assim, o comportamento de fumar foi adquirido via interseção, ou seja, a depender da pessoa com as quais teve interseção tendeu a se adaptar. Já a segunda pessoa, a gerente, não se reconhece em outro papel existencial, este é um caso de como algumas pessoas criam papeis com os quais não se identificam. Nesta mesma linha podemos citar uma mulher que engravida, mas não consegue se colocar no papel de mãe, não se reconhece como mãe. Já a última pessoa não conseguia se reconhecer nas referências externas, isso pode acontecer quando a pessoa utiliza o espelho errado, o reflexo vem distorcido e não tem crédito.
Diferente destes, alguns criam a si mesmos de outras formas, criam camuflagens para ganhar distância das outras pessoas ou situações. Numa organização alguns se tornam especialistas em camuflagem, sabem exatamente onde estar para não aparecer ou ser visto como querem ser vistos. Assim pode ser o gerente que lidera sua equipe de forma inadequada, não atinge os objetivos, mas é bem visto pelas avaliações de clima. A boa interseção, amizade, que tem com as pessoas com quem trabalha garante que tenha boas avaliações, e é isso que lhe garante permanecer onde está.
Camuflar-se é colocar uma vestimenta que diga algo sobre você que não é verdade, mas que cumpre certa função. Ao gestor cabe, a partir do que conhece de cada colaborador, saber se as pessoas com quem trabalha são elas mesmas ou estão camufladas. Uma organização onde pessoas camufladas trabalham é um ambiente perigoso, você não sabe com quem está lidando. O gestor bonzinho, aquele que agrada seus colaboradores, que se coloca a disposição para ouvir seus problemas pode ser aquele que repassa todas as informações e causa sua demissão. A camuflagem de servidor dá a ele a oportunidade de acertar o ponto fraco da pessoa, infelizmente isso existe.
Alguns camuflam-se por tanto tempo que acabam por confundir-se com a própria camuflagem. Quando isso acontece, a pessoa pode começar a perder a própria identidade frente ao personagem que usa como camuflagem para seus propósitos. Como ilustração, trago a frase emblemática de William Shakespeare "Ser ou não ser, eis a questão" (no original em inglês: To be or not to be, that is the question) a qual vem da peça A tragédia de Hamlet, príncipe da Dinamarca. Alguns, depois de se camuflarem como ovelha por muito tempo, não sabem mais ser lobo e outros, depois de serem lobos, não conseguem mais ser ovelha. A recomendação é ter cuidado. Camuflar-se, optar por deixar de ser você mesmo em prol de algo pode não ter volta.

Rosemiro A. Sefstrom

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Capacidade de transformação

Falconi comenta o que ele entende como necessário para que aconteça transformação.


terça-feira, 25 de novembro de 2014

 Prêmio Ser Humano 2014

 No dia 21.11.2014 aconteceu a cerimônia de premiação dos vencedores do Prêmio Ser Humano 2014 da ABRH-SC. Na cerimônia a empresa Tiscoski Distribuidora LTDA recebeu a premiação pelo case "Ser líder: Transformando potência em ato" na categoria Gestão de Pessoas. O projeto foi a inclusão da Filosofia Clínica no processo de gestão de pessoas como ferramenta para adequação das lideranças à filosofia da organização. A premiação foi recebida por Jucimar Andrade, gerente da empresa, das mãos do diretor da Regional ABRH-SC de Criciúma André Pais Topanotti. No registro fotográfico estão, da esquerda para a direita, André Pais Topanotti, Rosemiro A. Sefstrom, Jucimar Andrade.
Liderança e Meta

Seguem alguns conselhos do que é considerado uma das autoridades brasileiras na área da administração. Vincent Falconi ensina como liderar com base em metas, ensinando que para vencer os desafios é necessário ao líder com metas desafiadores. É importante lembrar que esta é a forma como Falconi entende que uma organização deve ser gerida. 


sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Música como negócio!

Bruce Dickinson, vocalista da banda Iron Maiden, mostra o que sabe a respeito do mundo dos negócios. A música feita de forma séria, com respeito ao seu público, precisa muito mais que um cantor, precisa de um bom administrador. Um administrador que tenha uma filosofia adequada ao propósito de sua organização.


quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Ratificando o que escrevi no artigo "Vida de aquário", segue a fala de Roberto Justos.


quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Vida de Aquário

“Procurando Nemo”, este é o nome de um filme que conta a história de um peixe que fica órfão de mãe logo cedo e é criado por um pai superprotetor. O pequeno Peixe da espécie Palhaço tem uma nadadeira menor que a outra, condição que faz com que o pai seja ainda mais cuidadoso com o filho. Em uma viagem com os colegas da escola Nemo vai além dos limites estabelecidos pelo professor e acaba sendo capturado pelos seres humanos. Levado à terra firme, é colocado no aquário de um consultório odontológico. Ali encontra outros peixes e moluscos com os quais vai conviver. Cada um deles foi raptado de lugares diferentes e obrigados a conviver em um mesmo ambiente. A falta de escolha em estar ali, assim como a vontade de fugir os unia.
Em algumas organizações o cenário não é diferente: pessoas de diferentes lugares, culturas e formação acadêmica são colocadas num mesmo ambiente. Alguns podem dizer que elas estão ali por vontade própria, ou seja, que as pessoas escolheram a empresa e as pessoas com quem trabalham. Infelizmente não é bem assim, a maior parte das pessoas trabalha na empresa na qual teve oportunidade e com pessoas com as quais não escolheu estar. Dentro deste ambiente chamado de organização estas pessoas convivem ao menos oito horas por dia, cada uma cumprindo seu papel. Nesta vida de aquário, assim como no caso de Nemo, algo em comum os une. O que seria?
Alguns autores pontuam que o que une estas pessoas são suas necessidades, pois cada um necessita de alguma coisa. Outros ainda dizem que o que une as pessoas na organização são os valores da organização. O que acontece, de fato é que cada um que foi colocado dentro do aquário cumpre sua função e está ali de acordo com o seu propósito. Cabe ao gestor ser aquele que capta no mundo à sua volta pessoas que cumpram a função organizacional. No entanto, não é tão simples, pois além de escolher as pessoas pela função que cumprem enquanto profissional, é preciso ainda cuidar como ela é enquanto pessoa.
Olhando de forma criteriosa para algumas organizações é possível observar que as pessoas cumprem muito bem o seu papel técnico, mas não conseguem se relacionar umas com as outras. Um dos maiores exemplos da importância de cuidar dos elementos técnicos e de relacionamento são os times de futebol. Alguns times tem um elenco de craques, seria um time ideal dado o alto nível de cada elemento que o compõe. No entanto, a má qualidade de relacionamento faz com que o time não obtenha os resultados esperados. Cada pessoa tem um jeito de ser de modo que, ao entrar em contato com o outro, pode ou não formar interseção.
É fato que alguns times não têm jogadores expressivos enquanto individualidade, mas enquanto time conquistam bons resultados. O que o gestor precisa observar são os elementos que cada um dos membros da equipe ou time trazem para o grupo quando se colocam em interseção. Os espaços de interseção são os espaços onde uma pessoa entra em contato com a outra ou outras. O melhor jogador do time pode colocar como elemento de interseção sua insatisfação com a organização, colaborando assim para a insatisfação da equipe com o time. Se outros colocarem o mesmo elemento, a insatisfação, aos poucos cada jogador tende a seguir seu caminho.
O treinador ou gestor mais habilidoso sabe como inserir elementos no grupo que atuem no espaço de interseção como motivadores. Como treinador ele pode colocar como elemento comum o fato de que o sucesso depende do grupo. Assim, não é ele quem determina o sucesso, mas a união do grupo, inclusive dele. Outro componente que pode ser colocado no espaço da interseção seria uma premiação para o grupo caso atinja a meta. Enfim, gerir o grupo, em boa medida, é estar atento aos elementos que estão em trânsito nas áreas de interseção.

Rosemiro A. Sefstrom

terça-feira, 18 de novembro de 2014

A filósofa americana Martha Nussbaum fez uma conferência no dia 06 de junho sobre “As emoções públicas”, para o ciclo "As cátedras de Sophia"

Quando filosofia, economia e politica se encontram

por Chiara Andreola
publicado em Cittànuova.it  dia 8/06/2011
Martha_Nussbaum_ridTalvez poucos conheçam o seu nome, mas foi ela, em 1986, a primeira a introduzir o conceito de “bens relacionais” – hoje assumido estavelmente na economia – e a influenciar notavelmente até mesmo as Nações Unidas, na elaboração do índice de desenvolvimento humano. E isso graças ao capability approach (abordagem segundo as capacidades), elaborado com o prêmio Nobel Amartya Sen.
“As cátedras de Sophia” são aulas magistrais de reconhecidos expoentes da cultura contemporânea. Depois de Ugo Amaldi, cardeal Marc Oullet, Stefano Zamagni e Sergio Zavoli, chegou a vez de Martha Nussbaum.
E ela não é uma economista, mas uma filósofa, trata-se da americana Martha Nussbaum, docente de direito e ética na Universidade de Chicago e conhecida nos ambientes acadêmicos, e não só, especialmente por ter introduzido o tema das emoções na reflexão política e social. E precisamente as “emoções públicas” foram o núcleo das conferências que a levaram à Itália.
Em Loppiano reuniu-se inicialmente com os estudantes de Sophia, estabelecendo um interessante intercâmbio, no qual não apenas os estudantes fizeram perguntas, mas foram também eles interpelados. Desabrochou um confronto não apenas sobre a convivência entre culturas e religiões diferentes, mas também sobre diferentes sistemas educativos, sentido de modo especial dada a proveniência geográfica tão diversificada dos participantes.
Mas também a relação entre filosofia e economia ocupou boa parte do debate, a partir da narrativa da experiência direta de Martha Nussbaum com Sen, um tema que abriu ao da interisciplinariedade do saber e da necessidade de colaboração entre estudiosos dos diversos setores.
A conferência aberta ao público, com o título “Emoções públicas e sociedade decente”, foi uma espécie de viagem no tempo e no espaço – da Europa depois da Revolução Francesa e do pensamento de Comte e Mill, até a Índia de Tagore e Gandhi – para examinar como a ideia de uma sociedade construída ao redor de uma “religião civil”, sustentada, portanto, pelas emoções, tenha aberto caminho e se tenha concretizado, especialmente, na experiência do Subcontinente. Emoções entendidas no sentido de “empatia” pelo outro, de capacidade de perceber um “bem comum” a ser buscado, que abraça toda a sociedade, que o próprio Estado é chamado a promover partindo da educação dos jovens.
Com relação à experiência específica do Instituto Sophia, Nussbaum observou como este fornece  um tipo de formação interdisciplinar que é crucial na formação de “cidadãos do mundo”. «Se nos limitamos a um único campo de conhecimento não somos suficientemente equipados nesse sentido», afirmou. E dirigiu aos estudantes o convite a «procurar entender como juntar a abordagem crítica à emocional», elementos essenciais, no seu pensamento, para construir uma sociedade que saiba respeitar todos os aspectos da vida humana.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Você é perfeito!

A propaganda da Pro Infirmis: Because who is perfect? Retrata pessoas que diferenças físicas que não são contempladas pelos manequins que vemos nas vitrines das lojas. Um artista plastico resolve pegar estas pessoas como modelos e desenvolver manequins de acordo com os seus corpos. O resultado é muito legal, mostrando que cada um é perfeito em si, ainda que não seja um modelo. 



quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Jogos de Linguagem

Wittgenstein, filósofo austríaco, teve a genialidade de perceber que para conversar com uma pessoa devo participar do mesmo jogo de linguagem dela. Caso não participe deste jogo de linguagem não serei compreendido. Novamente utilizando um curto vídeo do grupo humorístico britânico Monty Phyton, podemos ver como acontece, de fato, um jogo de linguagem.


quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Aposta

Se você tivesse certeza de que iria perder, em qualquer tipo de jogo, apostaria? Uma aposta é o comportamento de colocar algo em jogo contra alguma ou algumas pessoas, na dependência de que algo aconteça. Quando esse algo acontecer tende a favorecer um dos apostadores em detrimento de outros. Assim, se você aposta cem reais que o resultado do jogo de seu time será de dois a zero contra o time do seu amigo, se o resultado for o que você previu, você é o ganhador e ele é o perdedor. No entanto, dificilmente alguém apostaria somente por apostar, provavelmente quem aposta espera ganhar. O problema do termo aposta é a falta de controle sobre os elementos pelos os quais se aposta, caso contrário, diz-se que o jogo está “viciado” ou que houve trapaça. Apostar é colocar-se diante de algo sobre o qual não se pode controlar e que pode ou não dar o resultado esperado.
Em alguns momentos da vida apostar pode ser necessário, como aquele jovem de vinte e poucos anos que recebe a proposta de se associar ao amigo e abrir uma pequena empresa. Um investimento pequeno de tempo e dinheiro. Ele pode ou não apostar no sucesso da ideia, mas tanto ele quanto o amigo controlam os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso do negócio. Esse controle, ainda que seja precário, faz com que o que o rapaz fez não seja uma aposta, mas um investimento de risco. Por mais que ele tenha riscos, ele os conhece e pode se prevenir deles e inclusive sair do investimento quando lhe parecer oportuno. Numa aposta, depois de apostado, somente quando o resultado sair, até lá você está nas mãos da sorte.
Em outros departamentos da vida o investimento é diferente e apostar pode ser muito perigoso. Imagine que este mesmo jovem rapaz, que obteve sucesso em sua sociedade com o amigo, encontrou uma moça, uma menina desconhecida. Da mesma forma que fez em seu negócio, ele vai apostar no relacionamento com a moça, apostar ou investir? Assim como na sociedade com o amigo, o compromisso com o sucesso da organização deve ser mútuo, o negócio até pode fazer sucesso com o trabalho de apenas um, mas qual será o tamanho do investimento? No relacionamento que o rapaz tem com a moça não é muito diferente, tanto ele quanto ela estão investindo na relação. Pode dar certo com os investimentos de somente um dos dois, mas até quando será sustentável?
A diferença entre aposta e investimento é que na aposta existe algo que condiciona o ganho ou a perda. Além do que numa aposta somente um ou alguns ganham enquanto todos os outros perdem. Num investimento todos os envolvidos têm interesse no mesmo resultado, não há divisão entre ganhadores e perdedores. Outro elemento importante do investimento é que num investimento o resultado positivo faz de todos ganhadores. Retornando ao negócio e ao relacionamento do rapaz, se ele investir de forma responsável e com pessoas que queiram o mesmo que ele, suas chances de sucesso aumentam. Se, no entanto, ele investir com pessoas com ideias ou ideais diferentes das suas ou seus, o risco é grande de que ambos saiam perdendo.
Num negócio e num relacionamento cada um coloca algo não para perder ou ganhar, mas como forma de multiplicar. Se você coloca no seu investimento amor, carinho, sinceridade, tempo, dedicação e do outro lado a pessoa também investe elementos como amor, carinho, compreensão, as chances do investimento dar frutos são boas. Mas se há uma aposta, um coloca amor e o outro coloca segurança, ao fim do girar da roleta, quem ganhar leva os dois, o amor e a segurança.


Rosemiro A. Sefstrom

terça-feira, 11 de novembro de 2014

O que é uma discussão?

Em um bem humorado vídeo o grupo inglês Monty Phyton ensina como separar as coisas, desde um abuso até uma reclamação, passando pela discussão. Em alguns momentos na vida uma boa discussão alivia o espírito.



quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Adulto

Algumas pessoas deitaram-se aos dezessete anos e acordaram aos quarenta, cinquenta anos, olharam para si mesmas e não se reconheceram. Olham o espelho e não conseguem se identificar na mulher ou homem que se tornaram, olham a casa, os filhos e as responsabilidades e se entendem estranhas em meio a tudo isso. Olham para os filhos, sabem que são seus filhos, mas sentem-se incapazes de serem pais ou mães. Chegam ao trabalho, sobre a mesa repousa um crachá onde se lê “gerente”, mas não entendem como chegaram até a gerência! O estranhamento consigo mesmo se deu após uma visita na casa dos pais em que a mãe, uma senhorinha muito simpática anunciou à filha, já com seus quarenta e cinto anos: “Minha filha, quem diria que um dia você seria essa mulher forte, corajosa, mãe de dois filhos, gerente de uma empresa. Enfim, uma mulher adulta”.
Não foi intencional, mas a mãe colocou a filha diante do espelho, algo que até então ela não tinha feito. O interessante é que ao se ver, ela não se reconheceu como uma mulher com quarenta e cinco anos, mãe de dois filhos e gerente de uma empresa. O que ela vê dela mesma é aquela menina que terminou o ensino médio, a menina que recém começou o namoro, que queria ser advogada. O que aconteceu para que, ao ser colocada diante de si mesmo tivesse este estranhamento? Como que desde os dezessete até os quarenta e cinco anos não houve esse estranhamento?  Ocorre que ao longo desses vinte e oito anos a menina apenas seguiu o curso das coisas. Pouco tempo depois de arrumar o namorado acabou por engravidar e o sonho de ser advogada foi abortado em detrimento ao filho que nasceu. Seu namoro com o que parecia ser o amor de sua vida durou o suficiente para ter mais um filho, exatamente dez anos.
Essa mulher de quarenta e cinco anos agora tem uma crise de identidade e idade, primeiro, porque ela não tem a idade que tem e depois porque não é quem a mãe descreveu. Diante desta crise vem parar na terapia, porque alguns dias depois de se reconhecer como uma menina de dezessete anos em um corpo de quarenta e cinco a mãe de dois filhos começa a se comportar como uma adolescente. Natural, o que ela reconhece dela mesma tem dezessete anos, mais nova que sua filha mais nova que tem dezoito. A filha estranha as novas roupas da mãe, principalmente o comportamento sexual da mãe, que agora namora um rapaz muito mais jovem, fez uma tatuagem de borboleta e agora fala gírias. Na vida profissional a situação fica interessante, ela volta a estudar, vai fazer direito, nada de estranho, vai retomar de onde parou. Mas e a vida adulta que ela tinha até dias atrás?
A grande dificuldade para esta mulher pode ser entrar num consenso entre a idade que ela voltou a ter, dezessete, e a idade que realmente tem, quarenta e cinco. Em Filosofia Clínica o que se faz para que esta pessoa consiga equacionar todos os elementos que entraram em movimento com os que já estavam em movimento chama-se atualização. A mãe de dois filhos pode buscar elementos da juventude dela que ela pode viver hoje, adaptando-os à realidade atual. Esta adaptação se faz necessária para que os elementos de sua adolescência possam compor com os elementos de sua vida adulta. A partir da história de vida desta mulher, o filósofo buscará os elementos da juventude e junto com ela irá adaptá-los a sua vida adulta. A questão não é deixar de viver aos quarenta coisas da juventude, mas de viver a juventude do jeito que é possível aos quarenta. Algumas pessoas não se tornam adultas, mas acordam um dia adultas e precisam equacionar o jovem que tem dentro de si com o adulto que precisam ser.

Rosemiro A. Sefstrom

terça-feira, 4 de novembro de 2014

5 paradoxos da lógica e da matemática


Redação Super 31 de outubro de 2014  
Por Luiza Lages
Um paradoxo é uma declaração que vai contra o senso comum, expectativas ou definições. Na filosofia e na lógica, por exemplo, os paradoxos são importantes argumentos críticos, e já foram responsáveis pela organização ou reorganização de fundamentos de várias áreas do conhecimento. Parece complexo, não? Mas a gente te explica com calma. De uma vastidão de problemas paradoxais da lógica e da matemática, trazemos cinco deles que já deram um nó na cabeça de muita gente. Dá uma olhada:

1. Paradoxo de Russell (e Paradoxo do Barbeiro)
01
Em 1901, enquanto trabalhava em seu livro Os princípios da Matemática, Bertrand Russell descobriu um paradoxo que expunha uma falha nos fundamentos da Teoria dos Conjuntos, de Georg Cantor – o que abalou o mundo da matemática e levou cientistas a repensarem a lógica moderna. Segundo a teoria de Cantor, um conjunto pode conter outros conjuntos, inclusive a si mesmo. Por exemplo, o conjunto das ideias é uma ideia. Mas isso não é verdade para todos os conjuntos, já que existem alguns que não podem conter a si mesmos. É o caso do conjunto de todos os números, que não é um número, ou do conjunto de todas as frutas, que não é uma fruta.
Aí Russell resolveu complicar a história. O matemático pegou esse conjunto dos conjuntos que não contém a si mesmos (aquele que inclui o conjunto de todos os números e o de todas as frutas) e perguntou: “Esse conjunto pertence a si mesmo?”. Existem duas repostas possíveis: sim, ele pertence a si mesmo, ou não, não pertence a si mesmo. Se a resposta é que ele pertence a si mesmo, ele é um conjunto que não pertence a si mesmo (porque essa é a característica que define os participantes desse conjunto específico). E se a resposta for que ele não pertence a si mesmo, então ele é um conjunto que pertence a si mesmo. Tá aí o paradoxo de Russell: a resposta afirmativa leva a negação, e vice-versa.
Mas esse paradoxo não fica restrito à matemática, e pode ser entendido também no contexto da autorreferência, que é quando uma afirmação faz referência a si mesma. Ele também é conhecido como o Paradoxo do Barbeiro, contado pelo próprio autor para melhor explicar suas ideias: em uma cidade com uma lei rígida quanto ao uso da barba, a regra é que todo homem adulto é obrigado a se barbear diariamente, mas não precisa fazer a própria barba. Existe um barbeiro na cidade para esses casos, para o qual a lei diz que “o barbeiro deverá fazer a barba daqueles que optarem por não fazer a própria barba”. Dessa afirmação, surge o paradoxo, já que como resultado o barbeiro não pode se barbear. Por ser o barbeiro, fazer a própria barba significaria ser barbeado pelo homem que faz a barba só daqueles que optaram por não fazer a própria barba. E ele não pode ir ao barbeiro, pois isso significaria fazer a própria barba, o que não é a função do barbeiro.

2. Paradoxo do Mentiroso
02
Ainda no terreno da autorreferência, há um paradoxo que existe nas mais variadas formas desde os filósofos da Grécia Antiga. Ebulides de Mileto, no século 4 a.C., perguntou: “Um homem diz que está mentindo. O que ele diz é verdade ou mentira?”. Mais uma vez, encontramos uma afirmativa que leva à negação e uma negação que leva à afirmativa. Se o homem estiver mentindo, então ele está falando a verdade. Se o homem estiver falando a verdade, então ele está mentindo. O problema revelado aqui é da ordem do senso comum: o que entendemos por verdade e mentira nos leva a contradições.
Paradoxo do Mentiroso já foi registrado assumindo diferentes formas, contando diferentes histórias, em diversos tempos e culturas. Uma das mais populares é o Paradoxo do Pinóquio. O personagem da literatura infantil, criado por Carlo Collodi, afirma: “O meu nariz vai crescer”. Quem conhece a história sabe que o nariz do boneco de madeira cresce a cada vez que ele conta uma mentira. Bem, se o nariz do boneco crescer, então a afirmação era verdadeira e nada deveria ter acontecido. Se o nariz não crescer, então a afirmação era uma mentira e o nariz deveria ter crescido.
A partir de uma afirmação derivada da proferida por Ebulides em sua forma mais simples (“Esta afirmação é falsa”), Kurt Gödel demonstrou o Teorema da Incompletude, na lógica moderna. Em linguagem aritmética, o matemático disse que “esta afirmação é indemonstrável”. Se um axioma (princípio matemático que não precisa de demonstração) desenvolvido tendo como base essa estrutura é falso, então ele é falso e demonstrável, o que é incoerente. Se o axioma é verdadeiro, então ele é verdadeiro e indemonstrável, e, portanto, incompleto. Assim, qualquer teoria na qual seja possível formular uma afirmação como essa é necessariamente incompleta.


3. O problema de Monty Hall
03
No final dos anos 80, o humorista Sérgio Mallandro apresentava o programa infantil Oradukapeta, no SBT. O quadro mais popular do programa era a “Porta dos desesperados”, em que crianças da plateia escolhiam uma entre três portas. Atrás de uma delas havia prêmios, e das outras duas, monstros fantasiados. Agora vamos lá, suponha que você é um participante e escolheu a porta 1. Outro participante escolhe a porta 2 e a abre primeiro, revelando um monstro. Quando o apresentador pergunta se você deseja trocar a porta selecionada, qual seria a melhor decisão?
Muitas pessoas diriam que a chance de encontrar um prêmio é agora de uma chance em duas, e que tanto faz qual for a decisão final. Mas em 1975, nos Estados Unidos, a escritora Marilyn vos Savant disse em sua coluna na revista Parade que, em uma situação similar, o participante deveria optar por trocar de portas. Segundo ela, a troca levaria a uma probabilidade de 2/3 de ganhar o prêmio, enquanto a chance de levar a melhor ao permanecer com a escolha inicial seria de apenas 1/3.
Isso acontece porque, ao escolher uma porta, a chance de acerto é inicialmente de 1/3. Já tendo sido revelada uma porta falsa, caso a troca seja efetuada, deve-se somar ao 1/3 de chance da porta restante, o 1/3 de probabilidade que era conferido à porta revelada, chegando então a duas em três chances de acertar.
Muitos leitores, entre eles especialistas, não foram convencidos pelas explicações da colunista, e escreveram à revista alegando que a proposta deveria estar errada. Com a polêmica, foram conduzidas simulações e provas matemáticas foram desenvolvidas para mostrar que, apesar de fugir ao senso comum, vos Savant estava certa.
O problema de Monty Hall ganhou o nome do apresentador do programa de TV Let’s Make a Deal, que funcionava com uma dinâmica bem próxima à da Porta dos Desesperados, de Sérgio Mallandro. É um paradoxo classificado como verídico pelo sistema do filósofo e lógico Willard Van Orman Quine, já que apresenta resultados tão pouco intuitivos que parecem absurdos, mas que são demonstrados como verdadeiros.

4. Aquiles e a tartaruga
04
O que aconteceria se uma tartaruga apostasse corrida com um atleta? A resposta parece fácil, mas o filósofo pré-socrático Zeno de Eleia complicou as coisas com um de seus paradoxos do movimento. A história contada para explicar o problema proposto pelo pensador é a seguinte: Aquiles e uma tartaruga decidem apostar uma corrida e, como a velocidade de deslocamento do herói da mitologia grega é muito maior que a do pequeno réptil, ele dá uma vantagem para a tartaruga, que começa a prova à frente.
Quando Aquiles alcança o ponto A, de onde saiu a tartaruga, ela já está à frente, no ponto B. E quando ele chega ao ponto B, a tartaruga já se encontra no ponto C. Ao Aquiles alcançar o ponto C, ela já está em D, e assim sucessivamente. Dessa forma, o guerreiro nunca conseguiria ultrapassar a tartaruga. Matematicamente, seria como pensar em um limite: o limite da expressão teria o espaço entre os dois corredores tendendo a zero – e isso significa dizer que a expressão se aproximaria cada vez mais do número 0, sem nunca alcançá-lo.
Um dos problemas é que Zeno desconsiderou a variável do tempo. O paradoxo supõe que a soma de infinitos intervalos de tempo é infinita, mas a soma dos infinitos intervalos de tempo que Aquiles gasta para se aproximar da tartaruga, na verdade, converge para um valor finito. Então o herói só não conseguiria alcançar a tartaruga em um intervalo de tempo específico. Apesar das incoerências, o paradoxo foi importante para pensarmos os infinitos, a noção de referencial e movimento.

5. Paradoxo do enforcamento inesperado
05 (2)
Um juiz decreta a sentença de um homem condenado, e conta para o prisioneiro que ele vai ser enforcado na próxima semana, entre segunda e sexta-feira, em um dia inesperado, ao meio-dia. O homem entende a sentença de tal forma que fica aliviado, certo de que não vai ser executado.
O raciocínio dele é o seguinte: quando chegar a quinta a noite e ainda não houver ocorrido a execução, ele irá saber que esta não pode mais acontecer na sexta, já que isso seria esperado, o que contradiz a sentença – que deixou claro que ele seria enforcado em um dia inesperado. Então, se chegada a quarta-feira e a execução não houver acontecido, a mesma não poderá ser na quinta, pelo mesmo motivo apresentado antes. E assim por diante, não poderá ocorrer na quarta, na terça e nem na segunda. Mas na quarta-feira o prisioneiro é enforcado, uma vez que a lógica desenvolvida por ele tornou a sua execução inesperada.
Os lógicos entendem que o problema do paradoxo está em sua natureza de autorreferência e na sentença contraditória do juiz que, ao estipular um tempo determinado (meio-dia) e contado (uma semana) para o enforcamento, não poderia também falar em inesperado. Para a epistemologia, o paradoxo pode também ser um problema associado ao conhecimento – o que sabemos e o que esperamos entra em jogo.

Bônus: Paradoxo do avô
bônus
Um viajante no tempo volta ao passado para um momento em que seus avós ainda não se conheciam, mata seu avô e, como consequência, impede o próprio nascimento. O problema é que, sem ter nascido, o viajante não pode voltar no tempo para matar seu avô, o que significa que ele nasceu.
Nem da lógica e nem da matemática, essa é a descrição do Paradoxo do avô, que foi proposto pela primeira vez pelo escritor de ficção científica René Barjavel, em sua obra Le Voyageur imprudent, de 1943. O autor provou que qualquer um pode desenvolver um paradoxo, e que um paradoxo é um olhar crítico sobre como se vê e como se organiza o mundo.
A natureza contraditória do Paradoxo do avô, que mostra a impossibilidade dos eventos ocorrerem como descritos, está associada a uma visão de como é a ligação entre passado e futuro. Em diferentes cenários, com diferentes perspectivas sobre a estrutura temporal, o paradoxo não faria sentido. Por exemplo, a partir da noção de que o passado é imutável, seria impossível matar o avô. Também podemos pensar que a viagem no tempo cria ou se associa a uma linha do tempo alternativa, em um universo paralelo, em que, ao matar o avô, aquele que seria o viajante não chega a nascer.


http://super.abril.com.br/blogs/superlistas/5-paradoxos-da-logica-e-da-matematica/ (Acesso em 04.11.20414)

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Troca de papel

A breve crítica do grupo humorístico Porta dos Fundos, levanta a polêmica da precificação dos elementos religiosos. Há, no entanto, algumas organizações que santificam elementos profissionais, tendo a remuneração um caráter de caridade, de bondade por parte do gestor. A troca de papeis em alguns casos é a mistura de papeis, pois o ajudante lá da igreja é o supervisor de produção. Em outros casos a troca de papeis é por conveniência, tanto do profissional para o religioso quanto o contrário. Nestes casos a confusão visa algum tipo de benefício, será que é ético? Veja a ilustração.


sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Processo seletivo

Um dos grandes desafios é passar pelo processo seletivo e conseguir a desejada vaga de emprego. Muitos estudam e se preparam para o momento, sabem como se vestir, como se portar e o que responder ao ser questionado. De forma bem humorada Monty Pyton mostra um processo seletivo onde o candidato não tem a menor ideia do que se passa, não sabe como se comportar ou o que dizer. Os que se preparam para um teste seletivo, em muitos casos, estão forjando competências que não tem. Em muitos casos, meses depois da contratação as habilidades mostradas nos testes não aparecem.